domingo, 7 de fevereiro de 2016

DO ÁLBUM DE FAMÍLIA [8.º AVÔ JERÓNIMO]

Jerónimo Moreira de Carvalho
(Estremoz, c. 1673 — c. 1748) 

Médico, Cirurgião, Médico-Militar e Escritor.

Filho de Francisco Carvalho e de D. Maria Ferreira (que também é referida como D. Maria Ribeira, na Biblioteca Lusitana de Diogo Barbosa Machado e no registo de casamento de Jerónimo Moreira de Carvalho), que casam em Estremoz, Santa Maria, no ano de 1657.
Casa em Sousel, aos 22.02.1699, com D. Rosa Maria da Silveira (Sousel, Sousel, bp. 11.09.1673 — Sousel, Sousel, 09.02.1715), filha de Manuel Madeira Gil (Sousel, Sousel — Sousel, Sousel, 28.10.1717), cirurgião, e de D. Beatriz da Silveira ( — Sousel, Sousel, 19.11.1712),  fidalga, com quem tem geração em Sousel, Vila Viçosa e Lisboa.
Desta descendência, destacam-se Manuel Moreira de Carvalho, engenheiro-militar e escritor, e o padre jesuíta António Moreira, missionário, professor, naturalista e escritor.
Uma filha sua, também fruto da acima mencionada aliança, D. Leonor Joana da Silveira, casa com o seu amigo, compadre, camarada de armas (o atrás referido seu filho Manuel já tinha casado com uma filha dele e de sua primeira mulher D. Maria Ana Teresa FurtadoD. Luísa Teresa Leonor), e agora genro, coronel Francisco Cordeiro Vinagre, engenheiro-militar e quartel-mestre-general.

Formado em Medicina pela Universidade de Coimbra (1697).
Bacharel e Licenciado em Artes pela Universidade de Coimbra (1692 e 1694).
Médico do Partido da Universidade de Coimbra.
Médico dos Exércitos da Província do Alentejo.
Físico-Mór da Gente de Guerra do Reino do Algarve.
Médico em Sousel.
Compôs uma misteriosa massa com que curou várias doenças.
Deve-se a ele o primeiro tratamento para problemas da uretra.
Escreveu e traduziu vários livros de Medicina, História e Romances de Cavalaria.

Nesta última categoria literária, a sua História do Imperador Carlos Magno e dos Doze Pares de França (Lisboa, 1728), tradução e livre adaptação dum autor anónimo espanhol, onde Jerónimo Moreira de Carvalho também se inspira em Ariosto e Boiardo, e nas gestas medievais, tem sido objecto de inúmeras reimpressões, reedições e continuações, em diversos países, até aos dias de hoje, como atesta uma recente edição em inglês no Reino Unido, bem como alvo de variados estudos académicos, à semelhança do sua mística História do Grande Roberto, duque da Normandia e imperador de Roma: em que se trata da sua conceição, nascimento e depravada vida, por onde mereceu ser chamado Roberto do Diabo: e do seu grande arrependimento, e prodigiosa penitência, por onde mereceu ser chamado Roberto de Deus: e prodígios, que por mandado de Deus obrou em batalhas (Lisboa, 1733). Um e outro foram dos livros mais lidos em Portugal (incluindo o Brasil) durante o século XVIII.

Bibliografia e Arquivos:
Biblioteca Lusitana, História, Crítica e Cronologia, Diogo Barbosa Machado, Oficina de António Isidoro da Fonseca, Lisboa, 1741.
Dicionário Bibliográfico Português: Estudos Aplicáveis a Portugal e ao Brasil, Inocêncio Francisco da Silva, Imprensa Nacional, Lisboa, 1858.
Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Editorial Enciclopédia, Lisboa e Rio de Janeiro, 1936-1960.
Estudos de Cultura Medieval, Mário Martins (S.J.), Editorial Verbo, 1972.
A Guide to Studies on Chanson de Roland, Joseph J. Duggan, 1976.
Dicionário do Folclore Brasileiro, Luís da Câmara Cascudo, Edições Melhoramentos, 1979.
Estremoz e o seu Termo Regional, Marques Crespo, Centro Social Paroquial Santo André —  Estremoz, Vila Viçosa, 1987 (2.ª edição — fac-similada).
New Trends and Developments in African Religions, Peter Bernard Clarke, 1998.
Reinventing Religions: Syncretism and Transformation in Africa and the Americas, Sydney M. Greenfield e A. F. Droogers, 2001.
Nova História de Portugal: Portugal  — da Paz da Restauração ao Ouro do Brasil, Joel Serrão, Artur Boavida Madeira e A. H. de Oliveira Marques, Editorial Presença, 2001.
História da Companhia de Jesus no Brasil, Serafim Leite (S.J), Edições Loyola, 2004.
Ocidente: Revista Portuguesa de Cultura, N.º 285, Janeiro, 1962.
Revista Brotéria, 1987.
Revista Estudos Ibero-Americanos, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Departamento de História, 1999.
Gazeta de Lisboa, N.º 7, 18 de Fevereiro de 1723.
Jornal de Coimbra, 1815.
Arquivo da Universidade de Coimbra.
Arquivo Distrital de Évora.
Arquivo Distrital de Portalegre.
Arquivo Particular de João Miguel Costa Pinto Marchante (Autor do blogue Eternas Saudades do Futuro e desta síntese biográfica sobre Jerónimo Moreira de Carvalho).