quinta-feira, 29 de outubro de 2020

DAS TORMENTAS DA NAVEGAÇÃO

Parece que tenho de mudar de navegador para conseguir publicar aqui. Depois se verá. Para já, não brinco.

DOS LIVROS

Mostra-me a tua biblioteca, dir-te-ei quem és.

TESTEMOS DE NOVO ESTA BRINCADEIRA

Será que consigo voltar a escrever como deve de ser nesta caixinha mágica? Ou as voltas desta tecnologia complicaram tanto a edição que se tornou surreal publicar?

sábado, 19 de setembro de 2020

COISAS QUE ME CHATEIAM À BRAVA

O Blogger, sem eu lhe ter pedido, resolveu trocar-me as voltas, mudando o painel de comando desta brincadeira.Uma merda.

domingo, 13 de setembro de 2020

VANGUARDA TRADICIONALISTA

Não queremos venerar as cinzas, queremos preservar o fogo.

DA BAIXA SOCIEDADE

Tinha a vaidade própria das pessoas vindas de baixo, doentia e que se ofendia com tudo.

DO SEBASTIANISMO REALISTA

Não é preciso gostar deles, mas, assim que os identifiquemos como necessários, deve-se aceitá-los como homens especiais enviados pela Providência, e segui-los.

DA MOBILIDADE SOCIAL DAS TATUAGENS

As tatuagens começaram por ser coisa de marinheiros e prostitutas, prisioneiros e soldados rasos, e de outros tantos que tal. Depois, foram adoptadas por estrelas cadentes do rock e da bola. Agora, não há pequena burguesa ou grande burgesso que não as exiba nos produtos do lixo televisivo.  

PESSOALÍSSIMO PROGRAMA PARA OS ÚLTIMOS SUNSETS DA ESTAÇÃO

Sair do Verão devagar e entrar no Outono calmamente, lendo Stendhal.

AUTOR PARA SETEMBRO

Stendhal.

ETERNA DÚVIDA SOBRE O MÊS DE SETEMBRO

Sendo Setembro mês de Equinócio, por que razão cheirará sempre tanto a recomeço e regeneração, qual ponto extremo de partida ou chegada, como se de um Solstício se tratasse?

DA LITERATURA E DO CINEMA

Para quem tenha mundo, a Literatura é mais interessante que o Cinema; porque, onde o Cinema nos mostra imagens, a Literatura permite-nos imaginar.

DAS COISAS BELAS E DOS SUBLIMINARES ACASOS

As melhores coisas da vida não se procuram, encontram-se; e, só assim, através  das agradáveis surpresas do destino,  nos deliciamos verdadeiramente com elas. Contudo, há que saber sentir o mágico momento da convergência, e reagir de imediato, para não as perdermos.

DA CRIATIVIDADE AO LONGO DA VIDA

É no momento antes de adormecer, e muito especialmente quando me encontro à beira da exaustão, que me ocorrem as melhores ideias. Tempos houve em que dormia com um caderno de apontamentos junto à cama e encontava ainda energias para me soerguer nela e anotar as visões nocturnas, coisa aliás escusada à época pois lembrava-me quase sempre desses pensamentos ao despertar. Hoje concilio o sono sem bloco de notas ao lado e ao acordar de nada me recordo. Tenho que resolver isto. 

PRIMEIRO PRAZER DE SETEMBRO

Como habitualmente, o meu primeiro prazer de Setembro consistiu em pôr o carimbo de posse nos livros comprados na banca de alfarrabista com vista para o Atlântico e de seguida colocar cada um na estante da biblioteca correspondente ao seu género literário (porque os livros têm género — múltiplos — e as pessoas têm sexo — masculino ou feminino).

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

ENCONTROS DE VERÃO

Artistas e desportistas vão aos mesmos secretos sítios  nos mesmos especiais momentos, porque os primeiros gostam de contemplar a Natureza e os segundos têm necessidade de observá-la. 

ESTAÇÕES DO ANO E ESTADOS DE ALMA

Veraneio num lugar onde se sucedem as quatro estações do ano num só dia. Um sítio assim faz com que se vivam quatro estados de alma em vinte e quatro horas. Experiência só aconselhável a espíritos fortes.

sexta-feira, 21 de agosto de 2020

MORTE EM PLENO VERÃO

Conheci-o no sítio onde ambos veraneamos. Ele desde sempre, eu desde 2007. Logo descobri com ele imensas afinidades. Amigos comuns, em primeiro lugar. Depois, uma afinidade clubística que nos levava a vermos os jogos do nosso clube numa velha e castiça taberna desta terra de pescadores. Finalmente, gentleman (assim mesmo, em inglês, porque muito à inglesa) que era, era um conversador; e, assim sendo, eu sabia que tinha sempre alguém aqui com quem poderia divagar em conjunto. Para acompanhar essas longas conversas, que tocavam quase todos os pontos da chamada cultura geral (na verdade, composta por temas acessíveis hoje apenas a um escol culto em vias de extinção), tínhamos a aguardente velha e as cigarrilhas, outras duas afinidades de peso, além da cerveja. Tudo isto se passava em lugares (cafés e bares) que ele descobria antes de todos mas que na sua generosidade logo divulgava e indicava. Partiu, súbita e definitivamente, ontem. Agora, fica o desgosto e a certeza de um Agosto (este e os próximos) mais vazio.

DA ARRANCADA IMPERIAL

Aos 21 de Agosto de 1415, conquistámos Ceuta aos islâmicos, iniciando a nossa Expansão.

domingo, 16 de agosto de 2020

IMPÉRIO DAS NAÇÕES

Agora, que até o assustado sistema mundialista já fala em internacional nacionalista, dá-me gozo recordar que sempre disse e escrevi, aqui e em toda a parte, há décadas, que este século seria o do triunfo definitivo dos nacionalismos. E também sempre acreditei que os ventos de mudança viriam das nações do leste da Europa. De facto, Rússia, Polónia, Hungria, República Checa, Eslováquia, e etc. e tal, não me deixaram ficar mal, reencontrando-se com as suas diferentes mas semelhantes identidades culturais e provando que é possível criar uma sinergia comum em prol da verdadeira Europa. Confesso contudo que não esperava que a primeira nação ocidental a despertar e a dar o sinal fosse Portugal; mas, afinal, bem vistas as coisas, essa é a tradição, ou não tivéssemos tido nós Sidónio, para abrir e indicar o caminho, antes de tudo e todos.

DO SAGRADO E DO PROFANO EM PLENO VERÃO

Em Portugal, o Verão tem, em paralelo, festas sagradas e festas profanas. Existe assim a possibilidade de os crentes se divertirem, depois de cumpridos os seus deveres religiosos, e de os ateus sentirem o apelo da espiritualidade católica.
O sítio onde veraneio é paradigmático disto, porque rico em ambos os tipos de celebrações, exemplar no respeito mútuo e fértil em saudáveis sinergias e sínteses. Ficamos todos a ganhar.

FESTA DO DIA DE ONTEM

Solenidade da Assunção da Bem-Aventurada Virgem Maria; ou, popularmente, Dia de Nossa Senhora da Assunção.

AINDA A PROPÓSITO DE ALJUBARROTA

S. Jorge
(m. c. 303)
Mártir. Padroeiro Protector de Portugal desde D. Afonso Henriques.
O auxílio prestado pelo Duque de Lencastre, filho do Rei Eduardo III de Inglaterra, ao nosso Rei D. Fernando I, na luta contra Castela, trouxe-nos daquele País aliado um incremento de devoção a S. Jorge. O grito de «S. Jorge» substituiu para os Portuguese na guerra o de «S. Tiago», até então usado em toda a Península Ibérica. No lugar onde esteve içada a Bandeira Portuguesa por ocasião da Batalha de Aljubarrota (1385) fundou-se em 1388 uma ermida dedicada a S. Jorge. Em 1387 começou a incorporar-se na Procissão do Corpo de Deus, por ordem de D. João I, a Imagem do mesmo Santo a cavalo.

Nota: O Rei Eduardo III de Inglaterra tinha fundado em 1330 a célebre Ordem dos Cavaleiros de S. Jorge. Estes são conhecidos também pelo nome de Cavaleiros da Jarreteira.

DA MEMÓRIA HISTÓRICA QUE INTERESSA

14 de Agosto:
1318 — Fundação da Ordem de Cristo.
1385 — Batalha de Aljubarrota.
1433 — Morte de D. João I.

sábado, 8 de agosto de 2020

FAÇA-SE LUZ

Uma casa sem livros é como uma praia sem sol.