sábado, 31 de janeiro de 2015

A GRÉCIA NA VANGUARDA DA EUROPA TRADICIONAL

Rio-me ao ouvir as galimatias dos políticos, comentadores e jornalistas cá do burgo a propósito da aliança entre patriotas de esquerda e nacionalistas de direita na Grécia. Intoxicaram-nos intelectualmente nas universidades do sistema de forma a repetirem sempre a mesma lengalenga politicamente correcta nos me(r)dia. Gramsci explicou como se fazia.  Só que agora existem dados novos. Ninguém lhes tinha dito que ainda há gente que ama apaixonadamente a Pátria e a Nação, a Terra e o Povo, o Solo e o Sangue, o Território e a Cultura. Ah, pois há. E que essas pessoas põem esses valores espirituais à frente dos interesses materiais. E gente honrada, leal e valente, como esta, mais tarde ou mais cedo acabará por vencer por toda a Europa. Vão-se habituando... 

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

SANTO DO DIA

S. Tomás de Aquino (28.1.1225 — 7.3.1274). Doutor da Igreja.
Patrono especial de todas as Universidades e Escolas Católicas.

LIVRO DO DIA

O mapa e o território, Michel Houellebeck, tradução de Pedro Tamen, Editora Objectiva, Carnaxide, 2011.

FORA DE CENA QUEM NÃO É DE CENA

No Eternas Saudades do Futuro não há caixas-de-comentários pela simples razão de que o seu autor se recusa a dar de mão-beijada aos maluquinhos um palco para virem para aqui fazer os seus tristes números perante um público que pretendem alcançar mas o qual não merece a maçada de ter de levar com eles. 

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

LEITURA DO DIA

O Diabo de hoje traz uma entrevista com Marcos Pinho de Escobar — antigo colunista semanal do Eternas Saudades do Futuro — a propósito da sua tese de doutoramento sobre a influência de Maurras no pensamento político de Salazar. 

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

DA LITERATURA

Poucos escritores merecem que se leia a sua obra toda e contudo aprende-se mais com esses do que com todos os outros juntos.

DOS NACIONALISMOS NA EUROPA

Lembro-me de ter dito, num habitual almoço de 1.º de Janeiro, em 2001, que o século XXI iria ser o do regresso dos Nacionalismos à Europa. Recordo-me também de que apenas uma pessoa — um jovem académico, atento e inteligente — me questionou sobre a afirmação; e, pude, assim, discorrer com ele sobre a matéria — analisando diversos casos, Estado a Estado. Agora, posso acrescentar novo palpite: este segundo lustro da década de 10, corresponderá à chegada ao Poder de partidos políticos dessa área ideológica, em várias Pátrias do Eterno Continente. Fica aqui escrito, para mais tarde confirmar.       

domingo, 25 de janeiro de 2015

DA ARTE DE CONVERSAR

Tenho cá para mim como certo que a coisa que melhor distingue as pessoas entre si — sim, porque não somos todos iguais — é a sua capacidade de boa conversação.
Nesta matéria, geração após geração, os que passam o crivo do bom senso e do bom gosto são cada vez menos. Nas actuais reuniões sociais, o panorama é desolador: uns, entram mudos e saem calados; outros, debitam estéreis banalidades (quando não são inconveniências); finalmente, há um pequeníssimo escol — infelizmente mais pequeno de dia para dia — que ainda cultiva a arte de bem conversar.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

OS CHATOS

Aldous Huxley, num dos seus geniais romances, define e caracteriza magistralmente dois tipos psicológicos de indivíduos: o maçador activo e o maçador passivo; os sujeitos do primeiro grupo, saturam-nos com a sua inesgotável e estéril verborreia; os do segundo, incomodam-nos, quais emplastros, apenas com a sua silenciosa presença.
Observo as transmissões televisivas das sessões do nosso hemiciclo par(a)lamentar e vejo lá plasmados os exemplares vivos desses dois géneros de personagens: os deputados da primeira fila, correspondem ao tipo activo; os da segunda, ao passivo. Enfim, uma maçada.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

COISAS QUE ALIMENTAM O ESPÍRITO

Recentemente tive a honra de ser convidado a participar numa sessão duma tertúlia. Fui, porque se me afigurou triplamente especial. Era literária e gastronómica — ingredientes apelativos, mas comuns a várias outras que frequento desde sempre. Porém, juntava-lhes uma deliciosa diferença: realizava-se na residência dos mentores; e, os meus queridos leitores sabem bem, descobrir uma casa com bom gosto é para mim um prazer tão grande como ler um livro bem escrito ou deglutir um opíparo repasto. Foi o caso.