terça-feira, 30 de abril de 2019

DA POLÍTICA

As fórmulas políticas são irrepetíveis, na sua aplicação prática. Há portanto que renová-las, adaptando-as ao tempo presente. Quem souber fazê-lo, mantendo os valores identitários nacionais, vencerá. Parece que na Europa já só falta ser feito em Malta, Luxemburgo, Irlanda e Portugal.

IDENTIDADE CULTURAL NACIONAL

Um Povo é a língua que tem e fala bem, a música que compõe e escuta com emoção, a gastronomia que confecciona e saboreia deliciado, a literatura que cria e lê com gosto, a pintura que faz e aprecia maravilhado, a arquitectura que edifica e admira pela monumentalidade, os espectáculos que concebe e a que assiste arrebatado. Tudo herdado de seus antepassados e por si continuado.

domingo, 28 de abril de 2019

SALAZAR NASCEU HÁ 130 ANOS

António de Oliveira Salazar
(28.04.1889 — 27.07.1970)
Acredito firmemente que a melhor forma que temos de conhecer uma pessoa é lê-la. E sei também que uma efeméride serve muitas vezes como pretexto para nos lançarmos numa dessas aventuras iniciáticas de descoberta do outro. Limito-me portanto a deixar aqui uma só sugestão bibliográfica, para ler sem complexos nem preconceitos, de esquerda ou de direita:
Discursos (6 volumes) e Entrevistas (1 volume), de Oliveira Salazar, Coimbra Editora, 1935 — 1967.

DA SOCIEDADE HISTÓRICA DA INDEPENDÊNCIA DE PORTUGAL

DO 25

sexta-feira, 26 de abril de 2019

O ANUNCIADO TRIUNFO DO SENSO COMUM

 
A vizinha Espanha vai a votos no próximo domingo num cenário particularmente interessante para quantos se interessam pela análise das alterações políticas que, um pouco por toda a Europa, vão liquidando sistemas estruturados em partidos políticos velhos de décadas, mergulhados em casos de corrupção e já difíceis de distinguir entre si, sem um rasgo ou imaginação para propor algo de novo e que responda às questões que realmente preocupam os cidadãos, primeiros responsáveis por níveis de abstenção cada vez mais significativos.

No passado mês de Março, o politólogo e especialista em estudos de opinião e sondagens Jerôme Sainte-Marie levava às páginas do francês Le Figaro um artigo intitulado «La droite gagne les élections quand elle s'affirme, pas quand elle s'excuse». Nada de especialmente novo ou revolucionário mas, de igual modo, algo que as direitas - as ibéricas em especial - frequentemente parecem esquecer na hora de encarar eleições, (sobre)vivendo cobertas de complexos de esquerda e empenhadas em não desagradar à opinião que se publica - coisa bem diferente da opinião pública - e às manas Mortágua.

É nesse exacto quadro que as eleições espanholas do próximo dia 28 de Abril assumem uma novidade interessante: depois de um primeiro êxito nas eleições andaluzas que permitiu viabilizar um governo que expulsou os socialistas da má gestão dos dinheiros públicos e de um clientelismo e corrupção em níveis pornográficos, o VOX, liderado por Santiago Abascal, propõe-se a destino nestas eleições gerais sem complexos, com um discurso baseado no senso comum e que facilmente é perceptível pelos cidadãos independentemente do sexo ou da idade, de credos religiosos ou políticos: o “sentido común” que Abascal garante ser fácil de transmitir às pessoas na exacta medida em que vai ao encontro do que é natural, do que é óbvio para as famílias e para o cidadão que é alvo do saque fiscal, da insegurança e das múltiplas paranóias que o progressismo lhe impõe: o feminismo que não defende as mulheres; os “animalistas” que não defendem os animais; os comunistas que não defendem os trabalhadores; a perfeita loucura da chamada ideologia de género que castiga uma sociedade normal; a educação em que os pais pouco ou nada podem contra escolas e pedagogos na educação dos seus próprios filhos; a abertura à aceitação de uma imigração descontrolada que é terreno fértil para graves problemas futuros; uma lei de “memória histórica” que não é mais do que a determinação legal de um pensamento único e obrigatório.

E com entusiasmo, sem cair em discursos propícios a confusões hoje em dia tão desnecessárias como desactualizadas mas ainda assim alvo de violência nas ruas, com sedes e bancas de propaganda atacadas um pouco por todo o país, com democráticas esperas às porta dos seus eventos que já conduziram aos hospitais vários militantes, com exclusão dos debates televisivos sob o pretexto de ausência de representação parlamentar que noutros tempos não foi válido para outros projectos, desde logo o Podemos de Pablo Iglesias, o VOX soube assumir-se na cena política espanhola como um projecto porventura indispensável para garantir uma solução governativa.

Dirão alguns - e bem - que a recente tentativa de golpe de Estado na Catalunha em violação da constituição e dos direitos de milhões de espanhóis foi determinante e terreno fértil para o crescimento do partido de Santiago Abascal. Sem dúvida que sim, isso é evidente. Mas também porque o partido soube nessa ocasião assumir-se como voz de uma Espanha que não constatava qualquer acção eficaz por parte do governo de Madrid, temerário e incapaz de pôr cobro à questão, permitindo um esticar de corda que, como era óbvio desde o início, ganharia a repulsa cidadã. 

Temos então hoje uma proposta política simples, baseada no bom senso mas que não tem receio de dizer ao que vem, capaz de juntar avós e netos, homens e mulheres em sucessivas enchentes, aparentemente imune ao estúpido voto útil cuja lógica soube desmontar, elementos a que se junta uma liderança simpática e capaz de fixar eleitorado mas ao mesmo tempo habilidosa no momento de conquistar apoios à esquerda, junto dos mais débeis e vulneráveis, face ao “Bloco” lá do sítio cujos líderes se espreguiçam em piscinas privadas de moradias topo de gama que não logram explicar como compraram e a um PSOE que já nada tem de espanhol ou de obrero

Isto defendendo ao mesmo tempo a integridade territorial do Estado, a sua soberania perante Bruxelas, a defesa da Vida, da propriedade privada, de um mundo rural e de tradições locais cada vez mais olvidado pelo prêt-a-penser dos grandes centros urbanos, reforçando a denúncia de uma carga fiscal insustentável e do marxismo cultural cada vez mais todo poderoso, erguendo os valores do mérito, do esforço, da lealdade e do respeito à autoridade, sem complexos históricos: “não vamos pedir perdão a ninguém pelo percurso de “Isabel a Católica” - asseguravam há dias perante mais uma sala cheia.

Como é costume dizer-se, é muito fácil ser treinador depois do jogo. Faço então aqui o contrário: arrisco nesta sexta-feira, a quarenta e oito horas das eleições espanholas, que estas propostas políticas marcarão na noite de domingo, tal a dimensão dos resultados que irão obter, as notícias dos vários canais informativos  Antenas noticiosas que, mais ou menos em pânico, procurarão explicações sociológicas complexas dos professores Boaventuras para a coisa mais simples do mundo: o tal “sentido común” passado de geração em geração, coisa mais natural do mundo e que este VOX tomou como bandeira.

Se assim for, ficarão ensinamentos simples mas muito importantes também para um país como o nosso, uma vez que se insistia na ideia de que em Espanha e Portugal, vindos de décadas de autoritarismo, uma Direita desempoeirada estaria condenada ao fracasso. Domingo veremos se assim é.
 
Pedro Guedes da Silva

quinta-feira, 25 de abril de 2019

EFEMÉRIDE NACIONAL NO DIA DE SÃO MARCOS

O Senhor Dom Miguel é aclamado Rei de Portugal pelo Senado da Câmara de Lisboa no dia 25 de Abril de 1828.

quarta-feira, 24 de abril de 2019

PREPARANDO O FUTURO NO DIA DA SAUDADE

Neste dia da Saudade — chuvoso e triste (não poderia ser de outra maneira, porque Deus não dorme) — faço genealogia e arrumo o núcleo de Expansão Portuguesa da minha biblioteca. Assim se prepara o futuro, com o passado bem estudado.

terça-feira, 23 de abril de 2019

O QUE LEVA UM TRADICIONALISTA A GOSTAR DO POPULISMO?

Perguntam-me o que leva um tradicionalista e elitista como eu — defensor duma sociedade orgânica e hierarquizada — a simpatizar com os actuais movimentos populistas.
A resposta é simples: estas dinâmicas nacionais e populares — chamadas populistas pelo sistema — estão a demolir a sinistra ordem global que controla o mundo desde a revolução americana de 1776.
A seguir, basta reedificarmos o futuro, na linha da tradição. 

domingo, 21 de abril de 2019

PRIMEIRO DOMINGO A SEGUIR À PRIMEIRA LUA CHEIA DEPOIS DO EQUINÓCIO DE PRIMAVERA — RESSURREIÇÃO DO SENHOR

A Ressurreição de Cristo, 1463
PIERO DELLA FRANCESCA (c. 1420 — 1492)
Mural em fresco e têmpera, 225 x 200 cm
Museo Civico di Sansepolcro, Arezzo, Toscana, Itália

sexta-feira, 19 de abril de 2019

CRISTO NA CRUZ VISTO POR UMA PINTORA PORTUGUESA

Calvário, 1679
JOSEFA DE ÓBIDOS (1630 — 1684)
Óleo sobre madeira, 160 x 174 cm
Santa Casa da Misericórdia, Peniche

quinta-feira, 18 de abril de 2019

A ÚLTIMA CEIA

A Última Ceia, c. 1495-1498
LEONARDO DA VINCI (1452 — 1519)
Óleo e têmpera sobre gesso, 460 x 880 cm
Santa Maria delle Grazie (Refeitório), Milão, Itália

DA FRANÇA CATÓLICA

Civitas.

quarta-feira, 17 de abril de 2019

OS CINCO PATRIARCAS DA SAUDOSA EUROPA DO FUTURO — A DAS NAÇÕES

D. Afonso Henriques (Viseu, 25.07.1109 — Coimbra, 06.12.1185), O Conquistador, Rei de Portugal.
Guilherme I (Falaise, c. 1025  — Rouen, 09.09.1087), O Conquistador, Rei de Inglaterra.
Fernando I (c. 1016  — 27.12.1065), O Magno, Rei de Leão e Castela.
Hugo Capeto (0941  — Chartres, 24.10.0996), Rei dos Francos e de França.
Carlos Magno (Ingelheim, 02.04.0747  — Aachen/Aix-La-Chapelle, 28.01.0814), Imperador do Sacro Império Romano-Germânico.

Como bom português e bom europeu, orgulho-me de descender de todos eles.

segunda-feira, 15 de abril de 2019

METÁFORA DE MORTE E RESSURREIÇÃO EM PLENA PÁSCOA

Que o Ocidente definhava, dia após dia, já nós sabíamos. Com isso sofríamos e disso dávamos conta, aqui e em toda a parte. Apesar de tudo, sempre com esperança no futuro, como faz quem cultiva a Tradição. Escusado seria termos de ver arder um símbolo máximo do Catolicismo. Possa esta catástrofe servir de impulso para a dificílima regeneração e reconquista da Europa.

BOA SEMANA SANTA AOS LEITORES E AMIGOS

Entrada de Cristo em Jerusalém, c. 1305
GIOTTO DI BONDONNE (1267 — 1337)
Fresco, 200 x 181 cm
Capela Scrovegni, Pádua, Itália

DA IDENTIDADE CULTURAL LUSITANA

Entrámos na nova temporada taurina. Época em que se pratica o único espectáculo genuinamente português. Eis o sítio indicado para estar a par das novidades: Farpas Blogue. 

domingo, 14 de abril de 2019

SÉTIMA ARTE E IDENTIDADES NACIONAIS

Já se sabe que acredito no Cinema enquanto revelador da eterna identidade das Nações — embora de forma subtil, subliminar ou simbólica, não se tratasse de uma forma de Arte — e indicador dos consequentes caminhos políticos e geoestratégicos dos respectivos Estados. Assim, quando vi Tropa de Elite, percebi que o Brasil estava à espera de alguém como Bolsonaro. Também aqui escrevi em tempos que as marcas identitárias dos Estados Unidos da América se encontravam todas nas obras completas de três cineastas —  David W. Griffith, John Ford e Clint Eastwood — e que, estando o anterior Presidente a leste dessas referências, mais tarde ou mais cedo surgiria um novo Chefe de Estado para as cumprir; e, de facto, chegou Trump. Afigura-se-me igualmente claro que para a compreensão do Reino Unido se torna necessário conhecer a sua cinematografia; contudo, para facilitar o trabalho aos meus queridos leitores, aponto apenas as filmografias (com as suas fitas americanas e tudo) de três autores britânicos  — Alfred Hitchcock, David Lean e Ridley Scott —,  os filmes realizados por Stanley Kubrick desde que se mudou para Inglaterra, e ainda a série fílmica James Bond

ÓPTIMAS NOTÍCIAS VINDAS DA GRÃ-BRETANHA

O brilhante político Nigel Farage regressa em força para liderar o novo The Brexit Party.

sábado, 13 de abril de 2019

COISAS ESTETICAMENTE INSUPORTÁVEIS

Um blogue com escritos nas caixas-de-comentários é tão feio como um livro rabiscado nas margens; sendo que, além disso, raras vezes esses comentários e esses rabiscos acrescentam algo de verdadeiramente interessante ao pensamento do autor.

sexta-feira, 12 de abril de 2019

OS QUATRO LEGADOS DOS QUATRO PRIMEIROS-MINISTROS SOCIALISTAS

Só ares, um pântano, uma bancarrota, o familygate.

BLOGUE EM DESTAQUE

JÁ CHEIRA OUTRA VEZ A FIM DE REGIME

Os tristes anos finais da monarquia constitucional parlamentar deram-nos a ridícula figura do barão, os da sua república siamesa dão-nos o seu gémeo rastaquère.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

DA UTILIDADE DAS TRAPALHADAS SOCIALISTAS

Esta salganhada socialista, das nomeações dos seus consanguíneos para cargos públicos, à má-fila, tem o efeito positivo de despertar nos portugueses o interesse pela genealogia — ciência sem a qual é impossível compreender a identidade nacional; e, já agora, hobby muito meu.

NOVA COLUNA NO ETERNAS SAUDADES DO FUTURO

Está para muito breve a estreia duma nova coluna, dum novo autor, nesta vossa casa. Enquanto a novel rubrica não vem a lume, convido os nossos queridos leitores do Eternas Saudades do Futuro a revisitarem os artigos periódicos dos distintos pensadores que já honraram este blogue com as suas crónicas semanais: «Carteira de Senhora», de Leonor Martins de Carvalho; «Expresso do Ocidente», de Pedro Guedes da Silva; «Cadernos Interatlânticos», de Marcos Pinho de Escobar; e, «Sem Agenda», de Francisco Cabral de Moncada.

terça-feira, 9 de abril de 2019

SINAIS DO APOCALIPSE CULTURAL

Os alfarrabistas tornaram-se tão raros quanto as raridades que lá encontrávamos; e, não faltará muito para que desapareçam, porque estes tempos vulgares não gostam de coisas raras.

segunda-feira, 8 de abril de 2019

CINEMA (O)CULTO

Manoel de Oliveira é um cineasta espiritual, António-Pedro Vasconcelos é um cineasta espirituoso. A dupla identidade do espírito português revela-se portanto em toda a sua plenitude perante quem vê todos os filmes de ambos.

domingo, 7 de abril de 2019

BLOGUE EM DESTAQUE

Porque gosto de ler gente inteligente, mesmo que muitas vezes nos antípodas da minha cosmovisão. Pena é que dos interessantes oito autores desse outrora dinâmico blogue colectivo agora apenas um publique com regularidade.
[Ver a versão da Web]

sábado, 6 de abril de 2019

DIRECTRIZES PARA A RECONQUISTA E RENOVAÇÃO DA EUROPA (1)

A Europa cristã deverá derrotar a União Europeia ateia.

sexta-feira, 5 de abril de 2019

A MAL DA NAÇÃO

O governo socialista tem dado ao povo uma autêntica banhada de ética republicana. A situação só não é cómica porque é trágica para Portugal.

quinta-feira, 4 de abril de 2019

LISTENING TO THE SOUND OF CIGARETTES AFTER SEX


DA DESORIENTAÇÃO DA PRONÚNCIA NA LÍNGUA PORTUGUESA

Encanita-me brutalmente hoje em dia ouvir na telefonia e na televisão chamar campinato ao campeonato. Pergunto-me de onde virá essa gente e se não há ninguém que os ensine a pronunciar correctamente a nossa Língua. Bendita Inglaterra, onde existe o «Inglês da Rainha», que serve de referência às classes altas, e o «Inglês da BBC», que estabelece informalmente a pronúncia oficial.  

quarta-feira, 3 de abril de 2019

PERCALÇO FUTEBOLÍSTICO DO PR MAIS POLITICAMENTE CORRECTO DO MUNDO

O actual Presidente da República (PR, que no seu caso também dá para Public Relations), na sua desenfreada corrida para atingir o almejado cargo, percebeu que deveria fingir que era adepto de futebol e que tinha um clube, como qualquer português que se preze na verdade é e tem. Vai daí, escolheu o Sporting Clube de Braga, porque terá concluído que este era um clube simpático e inofensivo, como outrora se costumava dizer do Belenenses, e que declarando-se seu simpatizante não perderia votos de benfiquistas, sportinguistas e portistas, que são os únicos três clubes que contam para quem quer ganhar eleições em Portugal, pois estão de facto nos corações de milhões de lusitanos. Cumprindo esta estratégia, esteve semanas a fio (na época em que era papagaio residente na TV, com comentários dominicais, qual tele-evangelista da correcção política) a assumir-se publicamente (quando ouço aquela palavra lembro-me logo do Miguel Esteves Cardoso) como amante de futebol e grande fã do Braga. Para mal dos seus pecados  — imprevistos que acontecem a quem quer estar bem com Deus e com o diabo... —, o referido clube desatou a ganhar jogos, conquistou a Taça de Portugal e tem andado rés-vés para finalmente possuir o título de Campeão Nacional. Depois de ter percebido isto, ou de alguém lhe ter aberto os olhos para a realidade futebolística, o PR mais politicamente correcto do mundo (tem 20 valores nesta matéria), sempre de olho na reeleição, arrepiou caminho e nunca mais abriu a boca para falar do Desporto Rei.